sábado, 20 de novembro de 2010

AD LIBITUM - UM POUCO SOBRE O IMPROVISO NO JAZZ


Esse artigo foi originariamente publicado na Revista Continuum, do Itaú Cultural, em julho de 2007. Achamos interessante a forma objetiva e direta com que trata o tema o autor, muito além dos empolamentos com que o tema é tratado usualmente por especialistas. Por essa razão o republicamos no Soblonicas. Espero que gostem.




Por Thiago Rosenberg

O jazz é uma jam session entre o passado e o presente. Dois tempos em harmonia, dois tempos num constante diálogo musical. O passado na partitura, no tema, na melodia que, previamente composta, serve de base para a música; e o presente no improviso que o artista aplica sobre esse tema. Fixadas no passado, as notas musicais são reorganizadas, remodeladas no improviso do presente. O palco é para o jazzista, portanto, como que uma via de mão dupla entre o antes e o agora, entre o momento de composição do tema e o momento de execução da obra. Piano, guitarra, baixo, bateria, metais, palhetas. Todos os instrumentos afinados para uma viagem sonora no tempo.

Não foi o jazz que introduziu o improviso na música. O jornalista e saxofonista Roberto Muggiati, autor de, entre outros, Jazz: Uma História em Quatro Tempos e New Jazz: De Volta Para o Futuro, lembra que, bem antes do desenvolvimento do jazz, grandes mestres da música clássica já abriam espaço em suas composições para trechos improvisados usando a notação musical ad lib, do latim ad libitum - "ao prazer", ou "à vontade", em português. "Mas o improviso na música clássica era esporádico e praticamente deixou de existir depois da era romântica", diz. "Já no jazz, foi um dos recursos mais usados, e de diversas maneiras - da improvisação coletiva de Nova Orleans à improvisação sobre a melodia, na fase intermediária do suingue; da improvisação sobre os acordes, no bebop, à total abolição de regras, no free jazz."

De acordo com Mario Jorge Jacques, autor do Glossário do Jazz, a semente do improviso jazzístico - bem como o próprio jazz - vem do blues. Mais especificamente do break, procedimento do blues clássico que determina uma pausa na melodia, a ser preenchida por um solo do instrumentista que acompanha o cantor. É quando o músico deixa transparecer, por meio do instrumento, sua voz, seus pensamentos, sua alma. Como diz Edo Callia, pianista da Traditional Jazz Band, "o músico que improvisa precisa de uma boa dose de coragem, pois coloca sua alma no tema, e um pequeno erro pode ser fatal".

O improviso é uma obrigação no jazz?
Essa é uma questão polêmica. As big bands, ou grandes conjuntos de jazz, por exemplo, muitas vezes abrem mão do improviso e, tal como uma orquestra sinfônica, se concentram mais no trabalho do compositor ou do arranjador. O que não impede os músicos de se destacarem individualmente. Como afirma Muggiati: "Numa interpretação clássica, o fagotista, o flautista e até o violino solista são ilustres anônimos. Mil fagotistas tocarão o mesmo trecho da mesma maneira. Numa orquestração de jazz, mesmo sem improviso, sabemos que o trompete que ouvimos é de Clark Terry, o saxofone de Phil Woods, o trombone de J.J. Johnson, e assim por diante. Cada músico de jazz possui uma voz própria".

Autor de Jazz - Das Raízes ao Pós-Bop, Augusto Pellegrini defende a idéia de que "não existe jazz sem que exista pelo menos algum nível de improvisação. Isto porque o próprio jazz nasce de uma música que não era transcrita em partituras".

Jacques acrescenta que o improviso no jazz é muitas vezes mal interpretado. "Não é simplesmente uma invenção momentânea e repentista", comenta. "Seu sentido é muito mais amplo e significa a liberdade de criação e de interpretação do músico. O jazzista improvisa frases que podem até ser criadas no momento, mas geralmente são organizadas e trabalhadas a priori. Por vezes apenas algumas ornamentações são introduzidas."

Liberdade é a palavra-chave. Há no jazz liberdade para improvisar; liberdade para se expressar; liberdade de viajar no tempo, de saltar do presente para o passado e do passado para o presente. Liberdade de, ad libitum, mudar o passado com as notas do presente.

terça-feira, 9 de novembro de 2010

AUGUSTO PELLEGRINI E ARPÈGE QUARTET - SHOW BAILE

Porque é sexta-feira. Augusto Pellegrini e Arpège Quartet apresentam novíssimo repertório em show baile. Para você, é a certeza é ouvir e dançar ao som de belas canções, executadas e interpretadas com a maestria e a elegância de Augusto Pellegrini, Jeff Soares, Júlio Marins, Miranda Neto e Daniel Aranha. Em cartaz, muito jazz (na forma swing), baladas e canções americanas, samba canção, bolero, samba, gafieira e, ainda, o fino da música popular brasileira.

O QUÊ: AUGUSTO PELLEGRINI E ARPÈGE QUARTET – Show Baile
QUANDO
: Sexta (12/11), a partir das 23:00h.
ONDE: Associação do Pessoal da Caixa - Calhau
Couvert: R$ 5,00 (não-sócio) e R$ 3,00 (sócio)
REALIZAÇÃO: Satchmo Produções (81278879 e 81278837)

quarta-feira, 20 de outubro de 2010

EM ENTREVISTA AO SITE VERMELHO FLÁVIO DENUNCIA FRAUDE NAS ELEIÇÕES NO MARANHÃO


Flávio Dino denuncia fraude e questiona posição do PT no Maranhão
Disputar uma eleição no Maranhão contra a família Sarney não é tarefa fácil para nenhum postulante ao Palácio dos Leões. Mas, Flávio Dino não se intimidou nem mesmo quando soube que não teria o apoio do PT nacional. Aos poucos, ele foi conquistando adesões por todo o estado até quase chegar ao segundo turno. Nesta entrevista, o deputado federal fala sobre sua experiência e volta a denunciar o intenso uso da máquina e os abusos do poder econômico, “intensamente utilizados pelo grupo Sarney”.

Vermelho: Como avalia o processo eleitoral no Maranhão?


Flávio Dino: Acho que esta análise deve levar em conta fatores nacionais e locais. No primeiro caso, tivemos uma grave dificuldade que foi a decisão da direção nacional do PT de intervir no Maranhão e isso nos tirou tempo de televisão e agudizou as dificuldades que já haviam, postas pela assimetria material. Ela (Roseana Sarney) tinha uma estrutura gigantesca, está no comando do estado, faz parte de um grupo poderoso. Isso foi um fator determinante para esses oito centésimos que faltaram para a definição ir para o segundo turno. Já na cena local, destaco dois aspectos. Primeiro, o campo da mudança, de quem quer ver o estado andar para frente, é majoritário no Maranhão e a nossa candidatura conseguiu representar esse sentimento, o que fez com que saíssemos de um patamar bastante baixo, de um dígito, e chegássemos à ante-sala imediata do segundo turno, com 30% dos votos. O segundo aspecto diz respeito ao intenso uso da máquina, aos abusos do poder econômico, do poder político, a fraude eleitoral, a corrupção, a compra de votos, todos esses fatores ilícitos que foram intensamente utilizados pelo grupo Sarney.

Vermelho: E diante desses fatos, há alguma iniciativa sua ou do partido para buscar justiça?


FD: A princípio, vamos aguardar a iniciativa do Ministério Público porque são fatos públicos e notórios, noticiados inclusive pela imprensa nacional. Há, por exemplo, quitação de contas de água e luz feita pela campanha dela em diversos bairros e municípios, quitação em massa em proveito de eleitores. Isso tudo está documentado, tem a ação da polícia. Então, nossa atitude, num primeiro momento, é a de denunciar politicamente que não foi uma eleição normal; foi uma eleição desigual, ilícita. Ao mesmo tempo, vamos aguardar que as instituições do estado – no caso o MP e a Justiça Eleitoral – tomem as providências necessárias.

Vermelho: Se houver ações por parte dessas instituições, em que elas podem resultar?


FD: A rigor, se o Ministério Público considerar que esses fatos são graves – e na nossa avaliação, eles o são – poderia levar até mesmo a uma nova eleição, juridicamente falando.

Vermelho: Como avalia o comportamento do PT no caso das eleições maranhenses?


FD
: O PT do Maranhão foi exemplar. Ele decidiu apoiar minha candidatura, apesar da intervenção nacional. A imensa maioria do PT no estado fez campanha para mim, tanto na capital quanto nas cidades do interior; presidentes de partido, lideranças sindicais e populares, entidades sindicais dirigidas por petistas aderiram à nossa campanha, inclusive dirigentes da CUT estavam majoritariamente na minha campanha, dirigentes da Federação dos Trabalhadores da Agricultura do Estado Maranhão (Fetaema) etc. Não tenho queixas em relação ao PT do Maranhão. Foi uma minoria que ficou efetivamente com a Roseana. Agora, a direção nacional do PT, na minha avaliação, não respeitou o que o PCdoB representa nessa aliança desde 1989 porque a intervenção feita no Maranhão foi a única no país contra um aliado histórico e contra um deputado que teve, nesses últimos quatro anos, um desempenho muito leal ao governo, e isso, infelizmente, não foi levado em conta. Creio que este seja um tema que deve ser levado para a presidência do PT: por que há dois pesos e duas medidas quando se trata do PCdoB?

Vermelho: Em que momento você acha que finalmente será possível haver uma quebra nessa situação vivida pelo Maranhão?


FD: Acho que o resultado da eleição poderá levar a um reposicionamento da direção nacional do PT. Sou um otimista e sempre acredito que há uma evolução no desenrolar dos fatos políticos no Brasil. Acho que o resultado no Maranhão evidenciou o quanto foi artificial a atitude tomada contra a nossa candidatura. O apoio do PT ao grupo Sarney é incompatível com a própria lógica histórica do desenvolvimento do estado. É insustentável uma situação em que você tem um grupo que domina a cena política de um estado há praticamente cinco décadas e esse estado é o que tem os piores indicadores sociais do Brasil. Durante a campanha, debati exaustivamente este aspecto e cobrava deles: “olha, vocês estão dizendo que querem uma nova chance, uma nova oportunidade, mas por que não fizeram antes, se tiveram todas as oportunidades?”. E colocava para os eleitores: “esse pessoal teve oportunidade de desenvolver o estado e se mostrou incapaz de fazê-lo e não será agora que fará”. E não fará mesmo porque o projeto deles tem um vício de essência: na verdade, eles governam para os grandes; acreditam que são os grandes projetos que supostamente irão redimir e salvar o Maranhão e isso faz com que eles adotem uma estratégia de desenvolvimento totalmente dissociada da maioria da sociedade. Tanto é que as zonas mais dinâmicas da economia maranhense votaram pela mudança, ou em mim ou no Jackson (Lago, ex-governador e candidato do PDT); não votaram nela. Seus votos são essencialmente da máquina, do abuso do exercício do poder político e econômico. Passadas as eleições, creio que – até pela cobertura que a imprensa nacional fez – a direção nacional do PT reposicionará sua tática em relação ao Maranhão e tentará, progressivamente, a partir do próximo governo – que espero ser o da Dilma – fazer com que haja maior respeito pelas forças progressistas, democráticas e populares do Maranhão.

Vermelho: Apesar de conhecer o Maranhão, suas andanças pelo estado durante a campanha te mostraram algo que te surpreendeu?


FD: A campanha é uma imensa escola, é como se fosse uma pós-graduação intensiva em política. Este é o lado indiscutivelmente positivo. Hoje, me sinto mais preparado, mais qualificado, mais apto a ajudar a exercer um papel de mudança no Maranhão justamente por este aprendizado. Para mim, campanha tem dois aspectos a serem destacados. Um deles é o aprofundamento do conhecimento das realidades regionais. Na verdade, o Maranhão é um estado muito grande, tem 331 mil quilômetros quadrados e regiões com dinâmicas muito próprias, como se tivéssemos muitos estados dentro de um só. E na medida em que visitamos as comunidades, dialogamos mais e distinguimos mais claramente essas singularidades microrregionais.

E há, também, um saldo emocional da campanha. É inevitável não se emocionar com as inaceitáveis injustiças que marcam o cotidiano dos maranhenses. Atravessar uma campanha dessas nos deixa mais indignados. Vi muita pobreza, exclusão, negação de direitos que, evidentemente, eu sabia que existiam, mas uma coisa é o saber teórico, outra coisa é o contato prático, vivo, com essas pessoas. Por tudo isso, sinto-me ainda mais motivado porque não se trata apenas de racionalizar uma realidade social, mas também de sentir as dores do povo como dores suas, se indignar, saber que aquilo pode e deve ser diferente e transformar essa indignação em energia criativa e transformadora. E essa é uma atitude, sobretudo, política, porque nos faz mover forças que consigam transformar esse sentimento de indignação em transformação concreta. Lógico que gostaríamos muito de ter ganhado – e os militantes, em geral, heróis anônimos da luta pela democracia, mereciam essa vitória. E é lógico também que a derrota deixa um travo amargo na boca, superado por essa leitura de que a vida continua. Nós continuamos com a nossa ação política e no meu caso particular, sinto-me mais qualificado. Precisamos extrair lições de tudo isso, sem perder a motivação.

Vermelho: Como será a atuação de Flávio Dino e do PCdoB local no segundo turno?


FD: Evidentemente, mantemos nossa posição política, apesar da situação indesejável que se criou. Não podemos perder a perspectiva política mais geral do que é melhor para o Brasil. Por isso é que na entrevista que dei já no dia seguinte ao segundo turno, eu já dizia que o partido do Maranhão sempre esteve e continua estando na campanha com Dilma Rousseff.

Vermelho: Em 31 de janeiro, se encerra o seu mandato como deputado federal. Quais são seus planos para depois?


FD: Primeiro, eu lamento muito deixar a Câmara porque é um espaço de atuação política que me ensinou muito e ao qual me dediquei muito nesses últimos quatro anos. E o que sinto é, de fato, a dor de uma perda, de algo que vai deixar saudades. Agora, é preciso entender que esse “sacrifício” era necessário em razão do momento político do Maranhão. Nunca coloquei as zonas de conforto pessoal na frente da minha missão política; quando deixei de ser juiz, foi em razão disso. Renunciei a um cargo que me trazia conforto familiar e pessoal e que exerci por 12 anos e de que gostava muito porque era necessário, na minha avaliação, ajudar a recompor o quadro partidário no estado. Da mesma forma agora: eu poderia ter sido candidato à reeleição; muitos diziam que seria fácil – eu discordo, porque toda eleição é difícil – mas, digamos que até matematicamente seria mais fácil na medida em que para deputado federal são 18 vagas e para governador, apenas uma vaga. Mas, nunca coloquei o conforto pessoal na frente e não me arrependo disso.

O que fazer depois disso depende mais do partido do que de mim porque sou presidente estadual do PCdoB e sempre disse em meus discursos que não sou político profissional; sou advogado e professor, e sempre vivi das minhas profissões desde muito jovem. Então, a princípio é isso: retornar ao exercício das minhas profissões e aguardar outras missões políticas que serão definidas coletivamente. Não reivindico rigorosamente nada para mim porque acho que não sou credor de ninguém. Acho, na verdade, que sou devedor porque ter disputado o governo, apoiado pelo meu partido, pelo PPS, PSB e PT, é uma honra.

Destaco que o PCdoB é uma força crescente no Maranhão e tenho muita alegria de ver a quantidade de novas lideranças que se incorporam à política, vindas de outros segmentos da sociedade; isso me orgulha muito. E o PCdoB, não tenho dúvida, em razão desse excelente resultado eleitoral de 2010, sempre estará sentado à mesa das decisões políticas do Maranhão, sem hegemonismos ou exclusivismos, pelo contrário, com muita humildade valorizando os aliados. E o PCdoB sempre estará sentado à mesa do lado certo, do lado daqueles que querem a mudança, que lutam contra as injustiças, que denunciam as práticas oligárquicas, as desonestidades, porque estar sentado do lado errado dessa mesa não nos interessa; vamos continuar cumprindo este papel no estado e acreditando que nós, em conseqüência desse processo de acúmulo de forças, vamos extrair excelentes resultados eleitorais em 2012 e 2014.


Da redação,
Priscila Lobregatte

sexta-feira, 15 de outubro de 2010

O ESTRATEGISTA


Pensou por um momento como se fossem dias. Já estava tudo definido e tão certo. Foi quando andava a esmo por quaisquer ruas, esbarrando em busca de uma a memória tardia que não valorizava mais. Vivera há muitos, arrastando-se por tantos lugares e por anos a fio e ainda agora, deixando atrás de si apenas marcas de seus passos, que logo eram devorados pelo vento que lhe gelava as carnes e a alma. Não se importava mais com as coisas, os cheiros, os gostos, os jeitos e rostos emaranhados na confusão de seus pensamentos. Tudo lhe parecia sem sentido. Era como que se na vida não tivesse havido momentos determinantes, ou tudo que houvesse vivenciado até então, agora, descobrisse ter-lhe fugido com a velocidade de um estalar de dedos: zap! vulpt! Para, no instante seguinte, reafirmar que o tempo não voltava mais como as marcas de seus passos agora definitivamente enterrados e esquecidos pelo tempo.

Sentiu medo, um frio na barriga e um enorme estranhamento de gelar a espinha, pois desconhecia tudo e só com muita força lembrava os amigos, namoradas, pais e seu mais adorado cão. Pediu pra si mesmo paz e saiu gritando até ficar adormecido e inerte, torcendo para ser esquecido. Achou que tinha enlouquecido; ou seria ele que talvez houvesse esvanecido sem saber?

Por via das dúvidas e sem querer confrontar o tempo, passou a viver com a não-memória. Decidiu que só o presente imediato, o átimo, as relações do instante é que seriam bem-vindas, já que desconfiava que não pudesse chamá-los de vividas. Ajustou, assim, que os momentos fossem rápidos como piscar de olhos. Melhor assim, posto que não criavam vínculos, nem expectativas e tão-pouco obrigações, as quais detestava. Agora sua vida era uma “quase não experiência”. Não se importava. Afinal, por que deveria viver com coerência? Já não precisava mais se justificar e isso era em si uma grande vitória. Mas havia inconvenientes nesse procedimento; não conseguia conversar longamente com ninguém, o que lhe impunha conhecer e esquecer logo em seguida um monte de gente que depois lhes fugiam os nomes. Especializou-se em truques para disfarçar e lembrar nomes no meio dos papos. Às vezes só alongava as sílabas ou fonemas das palavras, quando era salvo da situação por alguém do lado que sem perceber lhe dizia o nome do interlocutor. Descobriu, assim, um lado útil das pessoas. Foi um fascínio para ele, algo de se gabar. Agora sim o veriam como importante e muito sábio, sem saber que na verdade aquilo era produto de sua desmemoria. Alguém muito útil para os dias que se vivem hoje. Muito útil aos outros e a si próprio. Agora que o sabia não ficaria pedra sobre pedra, sua vingança estava urdida e desenhada.

quinta-feira, 16 de setembro de 2010

AUGUSTO PELLEGRINI É SEU SHOW NA SEXTA

Augusto Pellegrini está no marisco nesta sexta (17) para encantar e fazer a festa com você. Num show montado com equilíbrio, você ouvirá belos standards do jazz, bossa nova, mpb, blues e o fino da música pop, executados com a maestria e a elegância de Augusto Pellegrini, Jeff Soares, Júlio Marins e Daniel Aranha.

O QUÊ: AUGUSTO PELLEGRINI E TRIO – Jazz, mpb, bossa e pop.
QUANDO: Sexta (17/09), a partir das 21:30h.
ONDE: Marisco (Lagoa da Jansen, na rua da boate Red)Couvert R$ 10,00 –
REALIZAÇÃO: Satchmo Produções (81278879 e 81278837)

quinta-feira, 9 de setembro de 2010

AUGUSTO PELLEGRINI PARA ENCANTAR SUA NOITE

Augusto Pellegrini está com novo repertório para encantar e fazer a festa com você. Com as modificações feitas, a certeza é se ouvir belas canções executadas e interpretadas com a maestria e a elegância de Augusto Pellegrini, Jeff Soares, Júlio Marins e Daniel Aranha. Em cartaz, muito jazz, bossa nova, mpb e pop para ninguém botar defeito.

O QUÊ: AUGUSTO PELLEGRINI E TRIO – Jazz, mpb, bossa e pop.
QUANDO: Sexta (10/09), a partir das 21:30h.
ONDE: Marisco (Lagoa da Jansen, na rua da boate Red)
Couvert R$ 10,00 ­- Reservas: 32689271
REALIZAÇÃO: Satchmo Produções (81278879 e 81278837)
APOIO:

quarta-feira, 1 de setembro de 2010

Augusto Pellegrini e Trio na sexta e encontro de bambas no Pertences da Casa, no sábado

Porque é sexta-feira. Eis uma grande razão para você conferir o novo repertório do show de Augusto Pellegrini e Trio. Com as modificações feitas pelos artistas, a certeza é se ouvir belas canções executadas e interpretadas com a maestria e a elegância de Augusto Pellegrini, Jeff Soares, Júlio Marins e Daniel Aranha. Em cartaz, muito jazz, bossa nova, mpb e pop para ninguém botar defeito.

O QUÊ: AUGUSTO PELLEGRINI E TRIO – Jazz, mpb, bossa e pop.

QUANDO: Sexta (03/09), a partir das 21:30h.

ONDE: Marisco (Lagoa da Jansen, na rua da boate Red)

Couvert R$ 10,00 ­- Reservas: 32689271

REALIZAÇÃO: Satchmo Produções (81278879 e 81278837)



Pertences da Casa, sua feijoada cultural, marca encontro dos bambas Adão Camilo e Léo Capiba com você neste sábado, 4, no bar Marisco. A apresentação dos artistas ocorre a partir das 13h, e é um convite muito especial para se ouvir o que melhor já se produziu de samba de raiz na interpretação de duas das melhores vozes que se ouvem por essas paragens.

O QUÊ: ADÃO CAMILO E LÉO CAPIBA – Pertences da Casa: bambas do samba(acompanhados por Celson Mendes – violão; Daniel Miranda – trombone e João Neto – flauta)

QUANDO: Sábado (04/09), a partir das 13:00h.

ONDE: Marisco (Lagoa da Jansen, na rua da boate Red)

Couvert artístico R$ 10,00

Buffet feijoada completa: R$ 25,00 ­- Reservas: 32689271

REALIZAÇÃO: Satchmo Produções (81278879 e 81278837)



terça-feira, 17 de agosto de 2010

AUGUSTO PELLEGRINI, PERTENCES DA CASA E ADÃO CAMILO NA NOITE DO MARISCO


AUGUSTO PELLEGRINI E TRIO: UMA NOITE DE JAZZ, MPB E OUTRAS BOSSAS

Ao que me lembre, Augusto Pellegrini e Trio realizam a maior temporada de um artista em casas de espetáculo, em São Luís.
O grupo está em cartaz há cinco meses no bar Marisco, apresentando um show alegre e bem estruturado com um repertório cuja grande marca é a diversidade de estilos.
É um convite certeiro para o entretenimento daqueles que não abrem mão de grandes momentos culturais. Augusto
nos brinda com sua bonita voz em interpretações de standards do jazz de deixar o queixo caído. Mas não só. É que a noite segue com o artista cantando o melhor que a pop music dos anos 60/70 produziu em arranjos vertidos ao estilo jazzístico. Compõem ainda o show blocos musicais que incluem a bossa nova e a MPB de finos tratos. Se você ainda não viu esse show, saiba que é imperdível. (Por Celijon Ramos).

O QUÊ: AUGUSTO PELLEGRINI & TRIO – jazz, mpb, bossa e pop.
QUANDO: Sexta (20/08), a partir das 21:30h.
ONDE: Marisco (Lagoa da Jansen, na rua da boate Red)
Couvert R$ 10,00 ­- Reservas: 32689271
REALIZAÇÃO: Satchmo Produções (81278879 e 81278837)

PERTENCES DA CASA: UM ENCANTO DE ARTES

Se você é daqueles que gostam de divertimento aliado a uma boa gastronomia, seu lugar é no bar e restaurante Marisco.
Aos sábados, a partir das 13h, o restaurante oferece aos seus clientes o Pertences da Casa, onde a atração principal é a deliciosa feijoada regada à boa música e outras artes.
A idéia é associar a culinária da casa, sabidamente apetitosa, à maravilha da arte em várias de suas expressões. Bem pode um dia você, ao degustar uma suculenta feijoada, deparar-se com músicas de estilos e intérpretes variados, intercalados à recitação de poesia, números de dança ou mesmo uma mostra fotográfica. Com Pertences da Casa o Marisco quer aliar degustação, bom entretenimento e muita cultura para seu encantamento.

O QUÊ: PERTENCES DA CASA (feijoada regada à boa música ao vivo e outras expressões artísticas)
QUANDO: Aos Sábados a partir das 13h.
ONDE: Marisco (Lagoa da Jansen, na rua da boate Red).
Buffet completo feijoada, incluindo apresentações artísticas: R$ 25,00
INFORMAÇÕES: 32689271 e 30827068

ADÃO CAMILO EM ALMA DE MANGUEIRA

Quem ainda não ouviu Adão Camilo? Adão é dessas vozes privilegiadas da qual você não pode passar em branco. Um artista cujo canto se revela já maduro e ao mesmo tempo muito moderno. Qualquer canção que o moço interprete sempre soa atual, e tanto faz que a composição seja de um medalhão da história de nossa música ou dos que agora despontam. Adão Camilo, como interprete, se perfila ao lado de artistas renovadores no Brasil, e sua música não fica nada a dever a Marcos Sacramento ou a Moyseis Marques.
O artista se apresenta neste sábado, 21, no bar Marisco no show Alma de Mangueira, uma homenagem ao grande Cartola. (Por Celijon Ramos).

O QUÊ: ALMA DE MANGUEIRA, com ADÃO CAMILO.
QUANDO: Sábado (21/08), a partir das 21:30h.
ONDE: Marisco (Lagoa da Jansen, na rua da boate Red)
Couvert R$ 10,00 ­- Reservas: 32689271
REALIZAÇÃO: Satchmo Produções (81278879 e 81278837)

quinta-feira, 29 de julho de 2010

AUGUSTO PELLEGRINI ENCANTA NO MARISCO


Augusto Pellegrini canta no bar Marisco, nesta sexta-feira, apresentando a beleza estilística do jazz e da bossa nova, da MPB e do pop. O show evidencia o talento e o ecletismo do mestre do jazz a partir de um repertório que se renova e surpreende. O artista será acompanhado por seu trio, que tem a frente os excelentes músicos Jeff Soares, Júlio Marins e Daniel Aranha.

O QUÊ: AUGUSTO PELLEGRINI & TRIO – Jazz, MPB, Bossa e Pop.
QUANDO: Sexta (30/07), a partir das 21:30h.
ONDE: Marisco - Lagoa da Jansen, na rua da boate Red.
Couvert: R$ 10,00
Realização: Satchmo Produções (81278879 e 81278837)

sexta-feira, 23 de julho de 2010

AUGUSTO PELLEGRINI HOJE NO BAR MARISCO


Augusto Pellegrini canta no bar Marisco, nesta sexta-feira, apresentando a beleza estilística do jazz e da bossa nova, da MPB e do pop. O show evidencia o talento e o ecletismo do mestre do jazz a partir de um repertório que surpreende. O artista será acompanhado por seu trio, que tem a frente os excelentes músicos Jeff Soares, Júlio Marins e Daniel Aranha.

O QUÊ: AUGUSTO PELLEGRINI & TRIO – Jazz, MPB, Bossa e Pop.
QUANDO: Sexta (23/07), a partir das 21:30h.
ONDE: Marisco - Lagoa da Jansen, na rua da boate Red.
Couvert: R$ 10,00
Realização: Satchmo Produções (81278879 e 81278837)

quinta-feira, 8 de julho de 2010

SHOWS NO MARISCO TÊM NOVIDADE

Tem início, a partir desta quinta-feira (08/07), no Marisco, Harmônica Instrumental. O projeto, que visa movimentar a cena da música instrumental de São Luís, será conduzido pelo trio do grande guitarrista Jayr Torres, contando sempre com a participação de convidados especiais.

O QUÊ: JAYR TORRES TRIO
ONDE: Bar e restaurante Marisco - Lagoa da Jansen, na rua da boate Red. Couvert artístico R$ 10,00 reservas: 32689271
QUANDO: Sexta-feira (08/07), a partir das 21:30 h.

­­­­­­­­­­Quem volta ao palco do bar e restaurante Marisco, na sexta-feira (09/07,) é cantor Augusto Pellegrini. O show dá continuidade à temporada do artista e é uma boa oportunidade de se assistir a um espetáculo bem cuidado e feito com muito carinho por esse verdadeiro mestre do jazz. No repertório, em que impera o bom gosto, jazz, muita bossa nova, MPB e belas canções do POP.
O QUÊ: AUGUSTO PELLEGRINI E TRIO
ONDE: Bar e restaurante Marisco - Lagoa da Jansen, na rua da boate Red. Couvert artístico R$ 10,00 reservas: 32689271
QUANDO: Sexta-feira (09/07), a partir das 21:30 h.

A cantora Mila Camões se apresenta no sábado (10/07) no bar e restaurante Marisco. A excelente intérprete preparou um show especial para você assistir, onde o grande homenageado é o samba. No repertório, composições de Cartola, Nelson Cavaquinho, Paulinho da Viola, Paulo César Pinheiro e tantos outros bambas do gênero mais característico da música brasileira.

O QUÊ: MILA CAMÕES É MÁGIA NO SAMBA
ONDE: Bar e restaurante Marisco - Lagoa da Jansen, na rua da boate Red. Couvert artístico R$ 10,00 reservas: 32689271
QUANDO: Sábado (10/07), a partir das 21:30 h.

quarta-feira, 9 de junho de 2010

JUNHO DOS NAMORADOS - COMECE SE ENCANTANDO JÁ DE VÉSPERA

Tássia Campos está de volta ao Marisco na quinta (10) e é sua oportunidade de conhecer um canto enlevado e belo. No repertório, despontam artistas da nova cena da música brasileira e que oxigenam o que se está acostumado ouvir sempre. Seu estilo é cool e se comprova pela influência que cantora abraça. São artistas do porte de Carlos Careqa, Kléber Albuquerque, Céu, Cibelle, Marisa Monte, Arnaldo Antunes, Moreno Veloso, Lenine, além do veterano Tom Zé. Antenada com os novos ventos e rumos da chamada “Nova MPB”, Tássia Campos é uma intérprete de voz suave, delicada que já diz ao que veio. Tássia, caros amigos, é só certeza.

O QUÊ: TÁSSIA CAMPOS
QUANDO: Quinta (10/06), a partir das 21:30h.
Couvert R$ 10,00 (em dinheiro). Reservas: 32689271
ONDE: Marisco bar. Lagoa da Jansen – na rua da boate Red. Realização: Satchmo Produções (fone: 81278837).




O show de Augusto Pellegrini no Marisco, nesta sexta (11), é especial e, por isso, está de roupagem nova, deste a formação do grupo ao repertório em si mesmo. O artista nos presenteia com repertório apoiado integralmente na música pop que se fez nos anos 1960/1970 para uma noite de homenagem. Seu convidado especial é Julian Klammt, guitarrista alemão que dividirá o palco com Pellegrini. Foi a forma que o mestre do jazz encontrou para homenagear o jovem artista alemão, que sempre esteve presente ativamente desde o início da temporada de Augusto Pellegrini no Marisco. Julian se apresentará com banda e é certeza de se ouvir muitos blues e rock.
Já dá para imaginar como essa sexta será tão bela!

O QUÊ: AUGUSTO PELLEGRINI E JULIAN KLAMMT
QUANDO: Sexta (11/06), a partir das 21:30h. Couvert (em dinheiro) R$ 10,00.
ONDE: Marisco bar – Lagoa da Jansen (na rua da boate Red). Reservas: 32689271 Realização: Satchmo Produções (fone: 81278837).




O Marisco preparou um show de beleza infinda para seu sábado (12), dia dos namorados. E quem vai encher sua alma de encanto e beleza e ninguém menos que Anna Claudia. Cantora de grande apuro técnico, de timbre de voz delicado e ao mesmo tempo poderosa, Anna nos abrilhantará com um show esmerado no fino da música brasileira. É uma sorte poder ouvir novamente essa moça, agora de regresso do Pará, e justamente numa data tão especial.


O QUÊ: ANNA CLÁUDIA
QUANDO: Sábado (12/06), a partir das 21:30h. Couvert (em dinheiro) R$ 10,00.
ONDE: Marisco bar – Lagoa da Jansen (na rua da boate Red). Reservas: 32689271 Realização: Satchmo Produções (fone: 81278837)

apoio:

segunda-feira, 24 de maio de 2010

TÁSSIA CAMPOS, AUGUSTO PELLEGRINI & TRIO E LÉO CAPIBA NO MARISCO NESTE FIM DE SEMANA


Tássia Campos desponta na cena artística maranhense e nacional a partir da sua relação com a multiplicidade musical efervescente que toca o mundo. Ousada e contextualizada com os novos ventos e rumos da chamada “Nova MPB”, Tássia Campos é uma intérprete de voz suave, delicada e extremamente bem modulada. Estilo cool, flertando com compositores e intérpretes da nova MPB da estirpe de Carlos Careqa, Kléber Albuquerque, Céu, Cibelle, Marisa Monte, Arnaldo Antunes, Moreno Veloso, Lenine, além do veterano Tom Zé - Tássia Campos se diferencia pela escolha de um repertório que privilegia a novidade. (texto: Gilberto Mineiro).

O QUÊ: TÁSSIA CAMPOS no show Trilha Sonora do Universo.
QUANDO: Quinta (27/05), a partir das 21:30h.
Couvert R$ 10,00 (em dinheiro). Reservas: 32689271
ONDE: Marisco bar. Lagoa da Jansen – na rua da boate Red. Realização: Satchmo Produções.
É contagiante ouvir Augusto Pellegrini. O artista emociona ao emitir seu canto a partir de um repertório elegante, equilibrado e belo no qual ele nos presenteia com a complexidade e riqueza criativa do bom jazz, da bossa nova, da MPB e das canções do POP.
O cantor se apresenta sexta-feira no Marisco e você é convidado a se divertir e apreciar a desenvoltura com que o artista passeia por tantos gêneros musicais.

O QUÊ: AUGUSTO PELLEGRINI & TRIO.
QUANDO: Sexta (28/05), a partir das 21:30h.
Couvert R$ 10,00 (em dinheiro). Reservas: 32689271
ONDE: Marisco bar. Lagoa da Jansen – na rua da boate Red. Realização: Satchmo Produções.
Quando se ouve Léo Capiba pela primeira vez, se é remetido para uma sonoridade típica da música brasileira produzida nos anos pré-bossa nova. É como se estivesse ouvindo uma mistura do canto de Lúcio Alves com Ciro Monteiro. Seu repertório é repleto de samba, samba-canção e, claro, tem muita bossa nova. É genuíno representante de uma forma de cantar cuja evolução legou os avanços interpretativos do canto bossanovista.
O artista se apresenta neste sábado (29/05) no Marisco e você tem a oportunidade de desfrutar da beleza da voz de um grande cantor.

O QUÊ: LÉO CAPIBA.
QUANDO: Sábado (29/05), a partir das 21:30h.
Couvert R$ 10,00 (em dinheiro). Reservas: 32689271
ONDE: Marisco bar. Lagoa da Jansen – na rua da boate Red. Realização: Satchmo Produções.

quarta-feira, 19 de maio de 2010

PARA BOM OUVIDOR: AGENDA MARISCO

CÉLIA MARIA faz show no Marisco. Cantora maranhense de grande performance interpretativa; tendo residido no Rio de Janeiro, apresentou-se no consagrado bar carioca Zicartola ao lado de grandes artistas da Música Popular Brasileira.
A artista possui CD gravado e celebrado pela crítica. No repertório do show, estão inclusos samba, samba-canção, xote e baião dos compositores consagrados de nossa música.


O QUÊ: CÉLIA MARIA
QUANDO: Quinta (20/05), a partir das 21:30h.
Couvert R$ 10,00 - Reservas: 32689271
ONDE: Marisco (Lagoa da Jansen, na rua da boate Red)
Realização: Satchmo Produções. Contato: 81278837


AUGUSTO PELLEGRINI &TRIO
No repertório, a riqueza musical da MPB, do jazz, da bossa nova, e das canções do pop. É a certeza de ouvir o melhor do jazz vocal, a elegância da bossa nova e a beleza do pop, num repertório sublime com músicas dos principais compositores de cada estilo. Acompanha o artista o Trio dos competentes músicos Júlio Marins (guitarra acústica), Jeff Soares (contrabaixo e violoncelo) e Aranha na bateria.

O QUÊ: AUGUSTO PELLEGRINI & TRIO – MPB, Jazz, Bossa e Pop.
QUANDO: Sexta (21/05), a partir das 21:30h.
ONDE: Marisco (Lagoa da Jansen, na rua da boate Red) Couvert R$ 10,00 ­- Reservas: 32689271
Realização: Satchmo Produções. Contato: 81278837



MILA CAMÕES. Carioca de nascimento, a artista, que já se apresenta há vários anos nas melhores casas de São Luís, é possuidora de uma voz enternecedora, dolente e mais tantos outros sentimentos. A alta qualidade de sua técnica lhe permite passear por todos os gêneros musicais: do jazz às mais elaboradas canções da música brasileira. Cria da MPB, suas influências vão do samba ao jazz, passando pelo blues, ritmos regionais, num repertório elegante e equilibrado.
A cantora se apresenta, sábado, (22/05) no Marisco num show que tem a direção musical segura do violonista Celson Mendes.
O QUÊ: MILA CAMÕES
QUANDO: Sábado 22/05, a partir das 21:30 h.
ONDE: Marisco - Lagoa da Jansen, na rua da boate Red. Couvert artístico R$ 10,00 reservas: 32689271
Realização: Satchmo Produções. Contato: 81278837

quarta-feira, 12 de maio de 2010

VEJA O QUE A SATCHMO PRODUÇÕES AGENDOU PARA VOCÊ

VÁ DE COUNTRY AO POP! – Show com LUCAS SOBRINHO e FERNANDA SOMBRA. Os artistas apresentam um repertório com músicas internacionais que todos gostariam de ouvir, mas que pouco se ouve nos rádios ou na programação dos bares, em São Luís. No repertório da noite, The Beatles, Johnny Cash & June Carter, Buddy Holly, Jet, Elvis Presley, Whitesnake, Little Richard, Creedance, Extreme e Boy George.

O QUÊ: VÁ DE COUNTRY AO POP! – Show com LUCAS SOBRINHO e FERNANDA SOMBRA.
QUANDO: Quinta (13/05) a partir das 21:30h. Couvert R$ 10,00
ONDE: Marisco Bar – Lagoa da Jansen, na rua da boate Red Club. Reservas: 32689271
Vale conferir AUGUSTO PELLEGRINI &TRIO
É a certeza de ouvir o melhor do jazz vocal, a elegância da bossa nova e a beleza do pop. No repertório, músicas dos mais consagrados compositores de cada estilo.
O QUÊ: AUGUSTO PELLEGRINI & TRIO – MPB, Jazz, Bossa e Pop.
QUANDO: Sexta (14/05), a partir das 21:30h. Couvert R$ 10,00
ONDE: Marisco Bar (Lagoa da Jansen, na rua da boate Red) Reservas: 32689271


Vale conferir SOLANGE COSTA e KAHINA BARROS, dançando no espetáculo BELLYDANCE – NOITE ÁRABE. Destaque para o elevado apuro técnico das bailarinas. Rigorosamente, seus quadris são soltos e chamam atenção não apenas pela beleza física e plástica, mas, sobretudo, pela primorosa técnica.

O QUÊ: BELLYDANCE – NOITE ÁRABE com bailarinas do Studio Solange Costa. Convidada: KAHINA BARROS, bailarina de dança do ventre de São Paulo. Participação especial: SOLANGE COSTA.
QUANDO: Sábado (15/05), às 21:00h. Entrada: R$ 10,00
ONDE: Marisco Bar – Lagoa da Jansen (na rua da boate Red Club) Reservas: 32689271

terça-feira, 4 de maio de 2010

DJ PEDRO SOBRINHO - MIXANDO O MUNDO

É hora de se animar, brincar e dançar, pois tudo no planeta tudo fica bem mais próximo quando se mixa o mundo. Quem garante a festa é Pedro Sobrinho, de longe, o DJ mais criativo DJ por essas plagas. Quinta (06/05) o artista estará no Marisco fazendo a agitação com o seu festejado MIXANDO O MUNDO.

O QUÊ: DJ PEDRO SOBRINHO - MIXANDO O MUNDO
QUANDO: Quinta (06/05), a partir das 21:30h.
Entrada: R$ 10,00 - Reservas: 32689271
ONDE: Marisco (Lagoa da Jansen, na rua da boate Red)

AUGUSTO PELLEGRINI E TRIO

Vale conferir AUGUSTO PELLEGRINI ETRIO
No repertório, que sempre apresenta novidade a cada show, a riqueza musical da MPB, do jazz, da bossa nova e das canções do pop. Para o distinto público que comparecer, é a certeza de ouvir o melhor do jazz vocal, da elegância da bossa nova e da beleza do pop, que marcaram gerações.

O QUÊ: AUGUSTO PELLEGRINI E TRIO – MPB, Jazz, Bossa e Pop.
QUANDO: Sexta (07/05), a partir das 21:30h.
ONDE: Marisco (Lagoa da Jansen, na rua da boate Red) Couvert R$ 10,00 ­- Reservas: 32689271

segunda-feira, 3 de maio de 2010

MILA CAMÕES NO SHOW ÁGUAS DE MAIO

Mila Camões, para quem ainda não a conhece, é uma artista segura, que possui todos os atributos necessários para ser o que é: uma grande cantora, que passeia com frases musicais por qualquer gênero. Sua voz é melódica, lírica e tem um calor humano que enternece sem prejuízo da condução muito técnica ao desfiar um repertório primoroso das song do jazz, ou as mais belas canções que a música popular brasileira nos legou.É um bálsamo mesmo vê-la cantar. É plástico. Canta com cada sentido. Quando se recosta ao microfone, emitindo cada nota de canto macio, ou ao cerrar os olhos sentindo a pungência dos detalhes de cada letra da canção, é aí que nos revela uma interpretação própria. É como se estivesse procurando caminhos, atalhos que pudessem fazer-nos revelar novas texturas de canções já consagradas. Mila não as reproduz apenas, cunha um novo sentido para as frases melódicas com essa sua entrega de corpo e alma ao canto.

A cantora se apresenta, sábado, (08/05) no Marisco no show águas de maio que tem a direção musical do violonista Celson Mendes.


O QUÊ: MILA CAMÕES no show águas de maio
ONDE: Marisco - Lagoa da Jansen, na rua da boate Red.
Couvert R$ 10,00 reservas: 32689271
QUANDO: Sábado 08/05, a partir das 21
:30 h.

Apoio cultural