domingo, 5 de julho de 2009

O CAFÉ FILOSÓFICO DE AUGUSTO PELLEGRINI


Sexta-feira (5) foi a noite de encontro de duas gerações de apreciadores do jazz, em São Luís. A iniciativa ficou por conta do projeto Café Filosófico, da Associação dos Magistrados do Trabalho – AMATRA/MA sob a presidência de Érico Renato Serra Cordeiro. O projeto desenvolve-se em ciclos de palestras e discute temas concernentes à cultura, economia, artes e ao Direito. Parabenizamos a Érico pela empreitada que cumpre um papel relevante aos magistrados maranhenses e à comunidade que pode ter acesso à discussão em elevado nível de grandes questões.
O tema dessa vez foi o jazz e teve como palestrante nada menos que o jornalista, escritor e músico Augusto Pellegrini, maior divulgador do Jazz no Maranhão.
Augusto Pellegrini é autor do livro Jazz – Das Raízes ao Pós-Bop em que desfia a evolução do gênero musical que engendrou uma das mais importantes e influentes músicas populares produzida pela experiência humana. É também apresentador de programas de jazz, em São Luís, desde 1982 e está à frente atualmente do programa Sexta Jazz, que é levado ao ar pela Rádio Universidade FM 106,9 nas noites de sextas-feiras com transmissão também via Internet através do link http://www.universidadefm.ufma.br/.
O escritor foi bastante didático em sua exposição, o que permitiu à assistência uma compreensão clara da intricada evolução da aventura do mundo jazz. Foi do ragtime ao fusion, abordando todas as fases do jazz (ragtime, New Orleans, Chicago, swing, Kansas city, bebop, cool jazz, west coast, hard bop, third stream jazz, free jazz e fusion), salientando-lhes os principais expoentes e os elementos novos da execução da música que permitiram ao jazz passar a um novo estágio. Ao complexificar ou simplificar o toque, as elaborações harmônicas e suas improvisações, os artistas nos legaram uma música de elevado refinamento e grande beleza. Favoreceu para a compreensão do gênero a audição musical e vídeos das apresentações dos músicos que foram feitos ao longo do desenvolvimento da explanação do jornalista. Augusto Pellegrini colocou à disposição de todos os presentes seu abalizado conhecimento e assim prestou um enorme serviço aos amantes do jazz por essas bandas.
Pode-se ainda saber que Pellegrini está com novo livro prontinho em que aborda o jazz com olhar ficcional. No momento, está em negociação com editoras para sua publicação. Que não demore muito.
Tomara que a iniciativa do Café Filosófico se fecunde e possa propiciar aos jazzófilos da cidade maior aproximação para trocar experiências e conhecimentos. Quem sabe se viabilize a formação do primeiro clube de jazz da cidade.

10 comentários:

figbatera disse...

Que beleza!
Deve ter sido uma ótima palestra.
Parabéns ao Érico pela iniciativa.
Abraço mineiro!

Érico Cordeiro disse...

Caro Celi,
Obrigado pela deferência.
A palestra foi maravilhosa. O Augusto, além do conhecimento enciclopédico, tem uma simplicidade em sua exposição digna dos grandes sábios, aqueles para quem o saber só tem sentido se puder ser compartilhado.
Um afetuoso abraço e a idéia do clube de jazz é ótima. Vamos desenvolvê-la!!!!!

Salsa disse...

E aumenta o som que isso aí é jazz...

Celijon Ramos disse...

Fig,foi ótima mesmo e melhor foi poder conviver com pessoas que se identificam a partir do jazz. O Augusto Pellegrine é tudo isso que Érico disse. Somos de alguma forma provilegiados por tê-lo aqui entre nós.O programa de jazz dele vai ao ar nas sextas-feiras às 8:30h. Acho que seria legal tu ouvires o programa um dia desses. O link está no post.
Meu compadre Érico,tu és merecedor de toda homenagem porque tenho a sorte de poder privar de sua companhia e amizade já por tantos anos, ao longo dos quais pude admirar suas vastas qualidades humanas.
Salsa, a minha vontade é aumentar o som do jazz por qui ao máximo do volume para ver se a gente consegue também aumentar a quantidade de admiradores da música.

Sou-lhes grato pela atenção a mim dispensada.

Um abração!

Érico Cordeiro disse...

Pô, compadre,
Assim eu fico sem jeito!!!
Você sabe do carinho, amizade, respeito e admiração que tenho por você. São mais de 20 anos de uma amizade/fraternidade que se renova a cada dia.
Um afetuoso abraço e obrigado pelas palavras gentis!!!

Celijon Ramos disse...

De nada, meu irmão.

Um abração, cara.

James Magno disse...

Mestre Celijon,
A palestra de Augusto foi mesmo sensacional! Obrigado por divulgar nosso modesto café; vamos melhorar ainda mais o projeto.
virarei habitué de teu blog; adorei.
abração
James

Celijon Ramos disse...

Caro James,
A iniciativa do Café Filosófico é maravilhosa.Fomenta a discussão, movendo formações, não só dos magistrados, mas também da comunidade que comparecer às palestras. O ideal é seguir aprimorando o formato do evento para que tenha maior participação do público alvo. Aposto que, após essas primeiras jornadas, os comentários entre nossos nobres magistrados tenham se multiplicado, o que indica o sucesso do projeto.

Obrigado por sua visita ao blog. A casa é sua. Sou visitante frequente do seu, creio,que já por mais de dois anos.Ah, lembrei-me da estória do Boi de Goiás... Gostei muito.
Um abração!

Tobias Serralho disse...

Apesar de algumas restrições à obra escrita por Pellegrini, sem dúvida o espírito sobreleva incólume. Parabéns pelo excelso blog.

Saudações, TS.

Celijon Ramos disse...

Eu é que agradeço o incentivo e a oportunidade de conhecê-lo e, assim, aumentar meus conhecimentos, além de fazer novos amigos.

Um abraço!