terça-feira, 28 de outubro de 2008

ROBERTO ROCHA REVELA O CONSERVADORISMO TUCANO



Em nota distribuída hoje à imprensa local, o deputado tucano, Roberto Rocha, tenta desqualificar o emocionado e equilibrado discurso proferido por Flávio Dino, no Colégio Aprovação, ainda na noite de 26 de outubro último. Dirigido aos cidadãos de São Luís e em especial a militância de sua campanha, Flávio identificou, de modo certeiro, o PSDB e PDT - a nova oligarquia no poder no Maranhão - com o atraso a que a esquerda maranhense combaterá na disputa pelo poder político no Maranhão.
A nota explicita, antes de tudo, a posição conservadora do PSDB e faz marabalismo para tentar a vincular a imagem de Flávio Dino ao grupo de Sarney, numa clara manobra que visa desconstruir a força e o cacife políticos com que Flávio Dino emergiu das urnas mesmo sendo derrotado no segundo turno. Esse é o primeiro movimento na luta pela sucessão de 2010.
A propósito disso, cabe a análise para que os dados políticos não fiquem soltos e os maranhenses acabem por cair em arapucas.
Com efeito, o PSDB é sim vinculado ao atraso na política brasileira e nela se posiciona à direita. A nível nacional, foi o principal articulador da defesa exacerbada do livre mercado que engendrou a atual crise financeira mundial. Tentou implantar no Brasil o estado mínimo com a privatização desenfreada e direcionada, pra dizer o mínimo (vide o modelo tortuoso implantado no setor de telefonia em consórcio ao Opportunity de Daniel Dantas, sabidamente um esperto gatuno).É bom não esquecer que as mesmas autoridades monetárias do mundo, idolatradas pelos tucanos, faziam até bem pouco tempo juras divinas ao Deus Mercado e agora são unânimes em requerer a intervenção do Estado para socorrer o sistema capitalista. Socializam-se dessa forma as perdas de banqueiros e empresas para os cidadãos do planeta pagar a conta.
Além disso, aqui no Maranhão, o PSDB representa o atraso ultradireitista, obviamente, como ficou evidente pela campanha eleitoral suja que patrocinou, pois as práticas fascistas da mentira, do boato, da violência e do uso escabroso da máquina pública e da compra de votos para vencer a eleição, colocam-no na era do coronelismo oligarca. É isso que representam João Castelo e Jackson Lago para nossa política. É o "Coronelismo, Enxada e Voto" do célebre livro de Vitor Nunes Leal e que deve ser combatido frontalmente. São muito velhos sim e assemelham-se ao vitorinismo e ao sarneismo, quiçá em versão piorada, dado o maniqueísmo fascista que adotam como regra. Já era o jackismo sem dúvida que se ensaiava a partir 1988, quando foi pela primeira vez prefeito da cidade.
E só ser a alternativa para mudar esse quadro de imundice, já qualifica a esquerda como a melhor opção moderna e includente socialmente para a política no Maranhão. Não dá para compará-la ao lodo podre que o grupo de Jackson e Castelo vem espalhando na política por aqui. Nesse sentido, o deputado Roberto Rocha só pode ser o futuro do passado.
O Maranhão precisa urgentemente livrar-se do tempo arruinado dessa conjugação verbal sob pena de continuar a afundar-se no atraso econômico e distanciar-se cada vez mais da geração dos direitos de cidadania ao povo.

2 comentários:

abraposo disse...

Caro Cellijon
O maior problema de Roberto Rocha é o mesmo de Dutra, ou seja, Inveja. Estes nunca conseguiram o que o Flávio Conseguiu e isso doi em quem é invejoso. Roberto Rocha foi criado nos braços do Sarneyzismo, inclusive as primeiras mamadeiras devem ser ter sido dada por dona Kiola
Anselmo Raposo

Jarbas Couto e Lima disse...

Celijon, muito lúcido seu artigo!